sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

INGRID BERGMAN





















Ingrid Bergman nasceu em Estocolmo, Suécia, no dia 29 de Agosto de 1915 e faleceu em Londres, no dia 29 de Agosto de 1982, foi uma importante atriz.
Filha de mãe alemã e pai sueco. A sua mãe morreu quando tinha dois anos e pai, Justus Bergman, era um fotógrafo boémio que lhe transmitiu o amor pelo teatro.
Ingrid entrou para a Real Escola de Arte Dramática de Estocolmo e antes de terminar o curso estreou no cinema, levada por um caçador de talentos. Em dois anos participou de nove filmes na Suécia.
Já famosa no seu país, Ingrid foi levada para Hollywood em 1939 para estrelar a versão de um dos seus mais bem sucedidos filmes suecos, "Intermezzo". A partir daí, o mundo inteiro rendeu-se a uma grande atriz que tinha um estilo próprio que em Hollywood alguns diretores e produtores definiam com um glamour ao ar livre, que fazia com que ela intrepretasse da mesma maneira vibrante tanto uma camponesa como uma princesa.
Bergman foi três vezes premiada com o Oscar, sendo duas como melhor atriz e uma como melhor atriz coadjuvante. O primeiro Oscar veio em 1944 com "À Meia-Luz", o segundo em 1956 com "Anastácia, a Princesa Esquecida", e o terceiro em 1974 como uma solteirona retraída em "Assassinato no Orient Express". Participou em numerosos filmes, incluindo clássicos do cinema americano, como "Casablanca", ou do italiano, como "Stromboli".
Casou-se em 1937 com Petter Lindström , com quem teve uma filha, Pia. Em 1949 divorciou-se e casou com o diretor italiano Roberto Rossellini, uma união que causou muita polémica, pois ambos eram casados quando se apaixonaram e abandonaram as respectivas famílias para viverem juntos. Essa paixão fez com que Ingrid fosse acusada de adúltera e de mau exemplo para as mulheres americanas e levou-a a ficar anos sem filmar nos Estados Unidos. Com Rossellini ela teve três filhos: Roberto e as gêmeas: Isotta Ingrid e Isabella, hoje a atriz Isabella Rossellini. Esse casamento durou até 1957, quando se divorciaram. Foi casada com Lars Schmidt de 1958 até 1975, quando também se divorciou.
Ela morreu no dia do seu aniversário de 67 anos, depois de lutar seis anos contra um câncer nos seios e de fazer duas mastectomias. Em uma entrevista um ano antes de falecer, Ingrid disse que se recusava a se render à doença e que por isso continuava a fumar e a beber vinho e champagne.
Recebeu 6 indicações ao Oscar, na categoria de Melhor Atriz, por suas atuações em "Por Quem os Sinos Dobram" (1943), "À Meia Luz" (1944), "Os Sinos de Santa Maria" (1945), "Joana D'Arc" (1948), "Anastacia, a Princesa Esquecida" (1956) e "Sonata de Outono" (1978). Venceu em 1944 e 1956.
Ganhou o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante, por sua atuação em "Assassinato no Orient Express" (1974).
Recebeu 2 indicações ao Globo de Ouro, na categoria de Melhor Atriz, por suas atuações em "À Meia Luz" (1944) e "Os Sinos de Santa Maria" (1945). Venceu em 1945.
Recebeu 2 indicações ao Globo de Ouro, na categoria de Melhor Atriz - Drama, por suas atuações em "Anastacia, a Princesa Esquecida" (1956) e "Sonata de Outono" (1978). Venceu em 1956.
Recebeu uma indicação ao Globo de Ouro, na categoria de Melhor Atriz - Comédia/Musical, por sua atuação em "Flor de Cacto" (1969).
Ganhou o Globo de Ouro de Melhor Atriz - Minissérie/Filme para TV, por sua atuação em "A Woman Called Gloria" (1982).
Recebeu uma indicação ao BAFTA, na categoria de Melhor Atriz Estrangeira, por sua atuação em "A Morada da Sexta Felicidade" (1959).
Ganhou o BAFTA de Melhor Atriz Coadjuvante, por sua atuação em "Assassinato no Orient Express" (1974).
Ganhou um César honorário, em 1976.

Um comentário:

Rogerio Pires disse...

Ela é a Joanna D´Arc da minha mente!